Desconstruindo o mito do vagabundo

"Não existe trabalho ruim, ruim é ter que trabalhar" - Seu Madruga

Chaves é um seriado que vêm marcando gerações justamente por seu jeito simples e caricato de retratar a realidade humana. Na história os protagonistas parecem encarnar várias personas do cotidiano e muitas vezes acabamos classificando o Seu Madruga como o típico vagabundo.
Mas da ópera Italiana as animações da Disney, os vagabundos, malandros e aventureiros sempre cativaram o público preso as amarras da sociedade que dita o que são os bons costumes e até mesmo quais objetivos precisamos ter para ser considerados felizes.

Seja com objetivo de apresentar uma redenção no final, ou mesmo como uma lição de moral que acaba com a punição do personagem no fim da história, os vagabundos são vistos narrativas como um exemplo a não se seguir e mesmo quando têm suas histórias justificadas, mudam seu estilo de vida no fim da história, ou então são punidos!

ORIGEM TRISTE

Quando o personagem é um protagonista "do bem" ele tem uma origem triste que justifica sua malemolência e malandragem. Falta de recursos ou até mesmo a ausência de uma família é a justificativa para um comportamento errante que margeia a sociedade. Podemos ver isso vagabundo (de A Dama e o Vagabundo), no Seu Madruga que protagoniza esse artigo, que é um desempregado e viúvo que precisa cuidar de sua filha e em vários outros.

A Dama e o Vagabundo (Disney, 1955)

NÃO TEM OPORTUNIDADES, OU NÃO GOSTA DE TRABALHAR

Quando é um personagem que tem o foco da narrativa, ou seja, quando é "do bem" o vagabundo representa as pessoas que "não tiveram a oportunidade de se adequar a sociedade" e por isso seu comportamento marginal é justificado.

Em Don Giovanni, o vagabundo que protagoniza a obra é tido como um nobre conquistador que parece ter por único objetivo deflorar o maior número de mulheres que encontra pelo caminho. Mas precisamos nos atentar que Don Giovanni é uma história de punição, onde o personagem terá um fim ruim para que sirva de exemplo aos expectadores.

MAS SERÁ QUE ISSO CORRESPONDE A REALIDADE?

Bom, se eu fosse escolher um vagabundo para comparar com a realidade ele seria o Seu Madruga. O personagem tem motivos para ser vagabundo, ao mesmo tempo que se percebe uma malemolência em sua personalidade. No entanto se pararmos bem para pensar, é um dos personagens que mais aparece trabalhando na série é ele!

Durante toda a narrativa vemos que o personagem está procurando emprego, e mesmo que declaradamente não goste de trabalhar se "vira" com seus bicos que vão desde vendedor de churros até lutador de boxe.

Então porque ele é visto como vagabundo?

Reprodução da peça Don Giovanni, que conta a história do nobre mulherengo que só arrumava confusão, mas acaba punido no fim da história.

O MITO DA MERITOCRACIA:

O fato é que aqueles que tiveram a sorte de se dar bem no sistema social vigente não querem sair de lá. Por isso é mais fácil alegar a incompetência daqueles que falharam do que dizer que o sistema não funciona. Pois quando alegamos que o sistema não funciona estamos dizendo que as regras precisam ser reformuladas pois são injustas. E isto faz que quem tenha poder político ou aquisitivo tema por sua posição, pois se as regras mudarem nada garante que eles ainda estarão no lugar que ocupam.

Por isso, é mais fácil para o Sr. Barriga pensar que o Sr. Madruga é vagabundo do que admitir que não é justo que ele tenha várias casas e viva de aluguel enquanto o Sr. Madruga que tem uma filha pra criar e está desempregado não ter nenhuma.

O que mais influencia no status social é a sua formação: e incluímos aí o ambiente no qual você foi criado, a família em que você nasceu e principalmente o poder aquisitivo dela. Trocando em miúdos, sorte.

Comentários

Artigos populares