As 80h semanais e o pato que o trabalhador vai pagar


Hoje a industria deixou entender que é a favor de uma jornada de 80h semanais (Fonte). E isso me fez pensar. Lembrei que tornou emblemática a imagem das manifestações onde um grande pato amarelo exibia a frase "não vou pagar o pato". Só que quem estava falando era a FIESP: um sindicato de patrões.

OS PODEROSOS NÃO PRETENDEM PAGAR PELA CRISE.

Afinal de contas os salários dos políticos e magistrados só fez aumentar recentemente. Os "patrões" aumentam seus preços, mas poucos falam de diminuir sua "meritocrática" arrecadação de lucros e discursam sobre a crise para não dar aumento aos funcionários

 
Mesmo que tenha sido mal compreendida, como alegam algumas mídias (fonte), a citação do presidente de Confederação Nacional das Indústrias é um lembrete de quem vai "pagar o pato", e vai ser o trabalhador.

Afinal de contas, a inflação alta, aumento dos juros e outros fatores tiram o poder aquisitivo do brasileiro médio, que economicamente desempoderado, vê sua mão de obra ser desvalorizada.

Até por que, na tal "crise", o trabalhador deve reclamar menos, afinal de contas trocar de emprego já não parece ser uma possibilidade. Fazer umas horinhas a mais sem receber? Se torna quase uma obrigação. Aumento de salário? Se você estiver insatisfeito, que procure um emprego melhor - e fazem questão de lembrar que geralmente não há um emprego melhor.

Por isso o trabalhador não deve se assustar se o patrão, "por engano", sugerir aumento da jornada de trabalho, principalmente se for sem aumento de salário. Afinal de contas, alguém tem que pagar esse pato... Alguém que não sejam "eles".

Comentários

Artigos populares