Star Wars e a Psicanálise


O que uma das sagas de ficção científica mais aclamadas da história do cinema e que recentemente estourou recordes de bilheteria com seu novo filme teria a ver com a clinica psicoterápica de Freud?

NÃO ESTAMOS FALANDO DE PSICOLOGIA

Pra começo de conversa precisamos deixar claro que psicologia e psicanálise são duas práticas diferentes. Muitas abordagens terapêuticas da psicologia se basearam nas técnicas de Freud, no entanto a psicanálise é uma pratica terapêutica à parte que, apesar de ser ensinada nas faculdades de psicologia, é praticada exclusivamente pelos psicanalistas.

MATANDO O PAPAI:

Quando Freud começou a estudar a mente humana ele pesquisou sobre muitos arquétipos culturais e chegou a conclusão de que uma das coisas que funda o homem enquanto membro da sociedade é a castração.

Mas relaxe, estamos sendo simbólicos.

A castração é um ato simbólico que acontece quando a sociedade dá limites ao desejo humano. Afinal para viver em grupo precisamos nos privar de muitas coisas. Esse conjunto de regras sociais é que permite que convivamos em paz. 

Um dos processos que ajudam a gente aceitar essas regras é o fato da sociedade dizer com quem nós podemos ou não fazer sexo, consolidando assim o conceito de família e da propriedade privada. Assim, falando de modo superficial, nasceu um processo mental que Freud Chama de Complexo de Édipo.

Você não pode fazer sexo com seus familiares. Essa é uma regra básica da sociedade.

Édipo é um mito grego onde, por engano, um príncipe acaba matando seu próprio pai e se casando com a mãe. Freud usa esse exemplo para mapear o desejo humano de uma forma filosófica dizendo que nós estamos sempre divididos entre nossa vontade e a lei.

A lei simbólica.

Quando falamos de lei não estamos dizendo das leis escritas como a constituição, mas destas leis intrínsecas que compõem as bases da sociedade. Mas para Freud isso cria uma tensão, afinal de contas quando obedecemos essas leis nós somos "castrados" (simbolicamente falando) e essa é a origem da maioria dos dilemas: o conflito entre o desejo e a lei.

As leis internas do sujeito.

Mas aí a gente vai mais longe. A psicanálise diz que, em um certo momento da vida nós internalizamos essas leis. A sociedade não precisa te dizer com quem você pode ou não fazer sexo, porque você sabe muito bem o que é certo ou errado. Essas leis passam a fazer parte de quem você é. E para alguns psicanalistas isso significa a morte do pai.

O pai é a lei.

Essa é a grande questão do complexo de Édipo: simbolicamente falando, a mãe representa o desejo, enquanto o pai é a lei que castra o sujeito. Durante a infância e a adolescência esse pai, que pode ser uma figura de autoridade, ou qualquer coisa que não permita que a criança ou adolescente faça o que quiser, ou seja, ele é externo.

Porém quando ficamos adultos esse "pai" morre e passamos a internalizá-lo!

E O QUE ISSO TEM A VER COM STAR WARS?

STAR WARS rouba artifícios narrativos de vários mitos. Não é atoa que George Lucas, criador da saga, parecia ser bem chegado de um autor chamado Joseph Campbell que foi responsável por estudar essas estruturas culturais.

O conflito interno que todos vivemos, que é o desejo versus a lei, é repetido em várias histórias. E em muitas delas a internalização do sentido de "dever" do herói é representado pela morte de um pai. Um exemplo disso é a obra Shakespeariana Hamlet, onde após a morte do pai o protagonista deve tomar uma posição em relação ao seu destino e nessa mesma estrutura podemos falar, por que não, d'O Rei Leão.

O simbolismo psicanalítico do complexo de édipo pode ser encontrado inclusive no relacionamento entre Luke e Leia (que muitos dizem ser na verdade uma falha de roteiro), e também podemos ver no Episódio V que o mestre Yoda diz a Luke que "para ser um Jedi ele precisa enfrentar Vader" que em holandês significa, adivinhe só: "pai".

A estrutura ser repete novamente no Episódio VII quando certo personagem precisa enfrentar o seu pai para cumprir seu destino.

Além disso, outro arquétipo dos mitos e das boas histórias é a morte do mentor. Na maioria dos contos o herói possui um mestre que o entrega a "espada mágica" e lhe convence do seu destino. Geralmente esse mentor precisa sair de cena para que o herói siga em sua jornada. O que acontece no Episódio IV quando Obi-Wan morre, no Episódio V quando Yoda morre. Também vemos uma morte de um mestre no Episódio I e agora também no Episódio VII.

É por isso também que os melhores vilões são figuras autoritárias que "castram" os desejos das pessoas. Eles são "grandes pais" que impõem leis e cerceiam a liberdade das pessoas.

GOSTOU? LEIA MAIS


Comentários

  1. Eu relacionaria a Psicologia Analítica do Jung, não a psicanálise... mas no fim das contas as duas acabam sendo beeem parecidas. Até porque né, Freud e Jung estudaram juntos.

    Joseph Campbell (psicólogo Junguiano) escreveu um livro chamado "o herói de mil faces" que acabou se convertendo num artifício literário chamado "a jornada do herói". Basicamente todas as grandes histórias seguem esse mesmo roteiro, por isso é comum você encontrar pessoas comparando Harry Potter com Star Wars, ou com O Hobbit, Jogos Vorazes e etc. Inclusive existem cursos de "a jornada do herói" para escritores, o que acaba tornando as histórias ainda mais parecidas entre si.

    Acho que o rei leão não se encaixa muito nesse último parágrafo que você disse. O pai do Simba morre e ele liga o foda-se. O Mufasa rouba o reino dele, e o Simba só tenta mudar isso depois que a leoa que ele gosta aparece pedindo ajuda, e ele sonha com o pai, que então "castra" o desejo dele de ficar vivendo no "hakuna matata". O pai do Simba não é o vilão, ele assume o papel de mentor, onde ajuda o Simba a tomar a decisão certa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Campbell não era psicólogo, apesar de ter estudado a fundo a Psicologia Analítica de Jung. Além disso, já existem vários textos sobre a jornada do herói e outros aspectos de mitologia comparada falando de STAR WARS na internet. Mas não deixa de ser um assunto interessante. Obrigado pelo comentário!

      Excluir

Postar um comentário

Veja também:

Artigos populares