Storytelling e a psicologia

storyteller-2

Eu sou psicólogo e trabalho no Setor de Assistencia Social na prefeitura onde sou concursado. Muita gente não sabe disso porque 90% do tempo falamos de contos, livros e outras coisas nesse blog. Logo se você começou a frequentar este humilde site há pouco tempo não deve ter me visto falando de psicologia até esse momento.


Mas antes de começar a falar da minha prática em psicologia muita gente deve estar se perguntando: o que raios é Storytelling? Com alguns minutos de pesquisa no Google você certamente vai descobrir que é um daqueles termos quase alienígenas de profissionais de publicidade, sim, aqueles artistas/ engenheiros operados pelos Illuminati para nos convencer a comprar as coisas. Mas o Storytelling não tem a ver com mensagens subliminares ou técnicas de venda... E ao mesmo tempo tem. O Storytelling é uma das práticas que nos separa dos animais, um dos traços marcantes do ser humano.


Mas ao invés de ficar me gabando ao falar com linguagem poética e usando termos difíceis eu vou explicar de uma forma simples e óbvia: Storytelling é a arte de contar histórias.


É. É só isso. A coisa é tão simples e ao mesmo tempo tão mágica que faz você subestimá-la por alguns instantes. Aconteceu comigo por meses. Quando me apresentaram ao termo eu achei que essa "galera da publicidade" estava querendo se apropriar de algo que "todo mundo já nasce sabendo fazer" ou mesmo roubar o espaço de artistas como roteiristas e escritores inventando um termo vago pra algo que já existe.


Mas não se engane pela simplicidade do termo, afinal de contas você pode definir a medicina de uma forma simples também: a arte de curar pessoas. E ainda assim a  prática não vai ser algo simples.


Ao fazer essa cruzada de estudos sobre o tal do Storytelling me descobri um "storyteller" sem saber. Muitos dos livros que foram recomendados inclusive em cursos que fiz eu já havia lido. Já usava muitas das técnicas que citavam em minhas histórias  e isso me permitiu dar um passo além na evolução da minha arte.


"Mas técnica para Storytelling? Isso é desculpa de publicitário para vender workshop" eu mesmo já disse em minha ignorância. Até que num livro que o meu editor me indicou eu li que saber apreciar uma boa música tocada num piano não te torna grande um pianista. Tocar piano exige anos de estudo e treinamento. Ou seja, não é porque você é capaz de apreciar um bom filme, seriado, livro ou histórias em qualquer mídia que significa que você possui as ferramentas práticas e teóricas pra produzir uma boa história!


Mas o que isso tem a ver com psicologia social?


Como eu disse eu trabalho na Secretaria de Assistência Social do meu município. Atendo a crianças e adolescentes juntamente com suas famílias fazendo intervenções pontuais e encaminhamentos para a rede de saúde e para a própria rede de assistência social.


Quando atendo essas pessoas eu não o faço em caráter de terapia, são mais orientações que chamamos de "psicoeducação". As vezes é necessário "ensinar" as pessoas a como lidar com determinadas situações ou como polir suas reações.


Tenho cinco anos de prática em psicologia e vou te falar que o método mais prático que encontrei de ajudar as pessoas é, adivinhe só: contando histórias. Sim, conto histórias para elas e de preferência exemplos da minha vida pessoal ou de outros que passaram por atendimento comigo e eles rapidamente compreendem o que tenho a lhes dizer.


Essa técnica tem precedentes históricos. Afinal de contas a maioria dos mitos tem por objetivo intrínseco dar lições de moral e ensinar as pessoas o que é certo e errado. Não só nos mitos, no cristianismo, uma religião praticada por milhões no mundo inteiro,  Jesus ensina a seus discípulos e a quem mais quiser ouvir através de parábolas, ou seja, histórias!


Enfim, se a gente começar a pensar um pouco vamos acabar descobrindo algo mágico: as histórias ajudam a definir quem somos, e também influenciam diretamente na nossa comunicação. Seja na psicologia ou em qualquer outra prática social, ela pode ser aplicada.

Comentários

  1. Parabéns pela simples e clara explicação. Sou estudante de psicologia e via um caminho possivel da contação enquanto pratica interventiva. Alguns acham que estou maluca tentando juntar uma formação em Letras que ja tenho a Psicologia. Mas que bom encontrar alguem q ja usa dessa pratica!! É encantador quando os olhos de alguem chega a brilhar quando você lhes conta uma história. É muito encantador!
    Sucesso pra vc e parabens novamente!

    Forte abraço.

    Stéfane Queiroz
    Tenho dicas...entra em contato- stefaneuneb@gmail.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Artigos populares